alfarroba-ingrediente

alfarroba

(Ceratonia Siliqua)

Características:

A alfarrobeira é uma árvore de sequeiro da família das leguminosas, cujo cultivo é muito antigo nos países da bacia mediterrânica. O nome alfarroba deriva do vocabulário árabe Kharoubah. As espécies mais comuns em Portugal são: Mulata, a Galhosa, a Aida, a Canela e a Preta de Lagos.

 

A alfarroba é o fruto alongado, de 10 a 22 cm de comprimento que é verde quando jovem, mas cresce rapidamente entre fevereiro e início de junho altura em que a sua cor muda para chocolate escuro.

Utilização: 

As alfarrobas, vagens nutritivas e saborosas, são usadas desde há muito tempo para alimentar o gado e como alimento humano. Consta que ainda há algumas décadas eram vendidas na rua, em Cacilhas como se fossem chocolates as próprias vagens. Na antiguidade as sementes foram ainda utilizadas como unidade de peso (carate) para materiais preciosos. 

 

Actualmente, a alfarroba, é utilizada na alimentação humana por ter um sabor adocicado, sendo frequentemente usada como substituto do chocolate na confecção de doces.  

 

A semente também é usada para extração de uma goma com variadíssimas aplicações industriais, nomeadamente no setor alimentar como espessante, estabilizante e emulsionante mas também na indústria têxtil, na industria papeleira, e na indústria farmacêutica. 

 

Fontes:

Voz do Campo n.º 226

www.gulbenkian.pt

ICNF

www.flora-on.pt

alfarroba-lince

Lince Ibérico

O Lince Ibérico é o felino mais ameaçado do mundo e está Criticamente em Perigo. É um animal tão emblemático que o escolhemos para ilustrar a Tablete Crua de Alfarroba. Ele partilha a mesma região que a Alfarrobeira no sudoeste da Península Ibérica. Seguindo a lógica que escolhemos para esta gama, uma espécie da fauna local acompanha um ingrediente nativo da região onde estamos sediados.

 

O lince-ibérico tem uma pelagem castanho-avermelhada coberta de manchas pretas que podem ser desde pequenos pontos a riscas. Como todas as espécies do Género Lynx apresenta como características mais distintivas uma cauda pequena, pinceis nas pontas das orelhas e barbas. O peso médio de um macho adulto é de cerca de 12 Kg enquanto as fêmeas pesam em média cerca de 9 Kg

Durante o século XX esta espécie sofreu um acentuado declínio sobretudo devido à regressão da sua principal presa, o coelho, como resultado de doenças virais, abandono das práticas agrícolas tradicionais e algumas práticas cinegéticas desadequadas; e à perda e deterioração do seu habitat, os matagais e bosques Mediterrânicos. Outros factores como a morte não natural, doenças e perturbação nas áreas de reprodução representam sérios desafios à actual sobrevivência da espécie.

O Programa Lince tem como principal objetivo assegurar a conservação e a gestão a longo prazo de áreas com habitat Mediterrânico adequado ao lince-ibérico (Lynx pardinus) em Portugal. A Liga para a Protecção da Natureza, em parceria com a organização internacional Fauna & Flora International (FFI), lançou, em 2004, o Programa, que conta com a participação e o apoio técnico e científico de um grupo composto pelos principais especialistas nesta espécie em Portugal.

 

LINCE IBÉRICO (icnf.pt)

Fontes:

www.icnf.pt

www.natureza-portugal.org

www.lpn.pt